Indicações

 

No Brasil o Conselho Federal de Medicina , em consonância com a Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica e a Undersea & Hyperbaric Medical Society (EUA), editou em 1995 a Resolução nº 1457, disciplinando a aplicação desta terapia e suas indicações, abaixo listadas, ratificada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), através da Resolução nº 211/2010, atualizada pela RN nº 262/2011. 
 
  • Lesões ulceradas refratárias: úlceras de pele, pé-diabético, escaras de decúbito, úlcera por vasculites auto-imunes, deiscências de suturas; 
 
  • Lesões por radiação: radiodermite, osteorradionecrose e lesões actínicas de mucosas; 
 
  • Vasculites agudas de etiologia alérgica, medicamentosa ou por toxinas biológicas (aracnídeos, ofídios e insetos); 
 
  • Osteomielites crônicas refratárias;
 
  • Isquemias agudas traumáticas: lesões por esmagamento, síndrome compartimental, reimplantação de extremidades amputadas e outras; 
 
  • Retalhos ou enxertos comprometidos ou de risco; 
 
  • Gangrena gasosa; ,
 
  • Síndrome de Fournier; 
 
  • Outras infecções necrotizantes de tecidos moles: celulites, fascites e miosites; 
 
  • Queimaduras térmicas e elétricas;
 
  • Embolias gasosas;
 
  • Envenenamento por monóxido de carbono ou inalação de fumaça
 
  • Envenenamento por cianeto ou derivados cianídricos; 
 
  • Anemia aguda, nos casos de impossibilidade de transfusão sangüínea;
 
  • Doença descompressiva e Embolias traumáticas pelo ar.